E que Clarisse assim não seja.

E Clarisse era igual ao pai; alta, seus cabelos cacheados, olhos profundos, perigosos. Mesmo gosto musical, mesmo volume ao fone de ouvido. Só esqueceram de reparar que era a mesma tristeza escondida atrás daqueles lindos olhos. Sem motivo algum, ela esquecia propositalmente de contar à todos que não se sentia bem, só contava ao seu espelho. Isso ela puxara da mãe. Ficava às vezes o dia todo virada de frente para o espelho conversando consigo mesma.

“Você está bem” sussurrava sorrindo fracamente, “é bobeira”.

E se não se enganam, a música estava certa em alguns casos. Aliás, esse vazio ela conhece muito bem, tanto ela quanto sua mãe. Mas Clarisse nunca pensava na possibilidade de desabafar com alguém, até fazer o absurdo. Em uma noite mais escura do que o normal, Clarisse se esqueceu de ter uma alma, um calor. Deitou sobre sua cama e chamou a morte. Chamou baixinho. “Vem, pode vir” suspirava, “Não tenho medo de ti”. Mal sabia Clarisse que não era assim tão fácil. Ela, dona Morte, vem e vai quando bem entender. Nem sempre é bem vinda, mas suportável.

“Bem, parece que vou ter que te forçar a vir”, falou como se mandasse na Morte. Como se mandasse na balança gráfica dos tais mortos e vivos. Decidira se levantar e por seu plano em prática, e o fez. Estava tudo pronto; cadeira, corda, laço. Só faltara a coragem. Não de se matar, a coragem de deixar tudo e todos. Mas tudo bem, achava, “ficarão melhores sem mim”. Subiu com um pouco de dificuldade na cadeira, respirou fundo e sorriu.

   “Eu sou um pássaro. Me trancam na gaiola, e esperam que eu cante como antes. Eu sou um pássaro. Me trancam na gaiola, mas um dia eu consigo existir e vou voar pelo caminho mais bonito…”

Era isso, estava na hora. Clarisse já não sentia mais medo ou qualquer nervosismo. Estava neutra, tranquila, nem ao menos chateada. Por que estaria chateada? Sempre fora assim, sozinha. Então não havia com o que se chatear. Nem sequer uma lágrima de tristeza desceu, e sim de emoção. Ignorante da parte de alguns não entenderem sua felicidade naquele momento. Finalmente iria se livrar de tudo aquilo que já a machucava; o nada. O vazio, a solidão, a repiração constante. Talvez a vida pra ela não fizesse sentido, talvez a vida nem deveria existir, talvez… Talvez algo concreto, certeza.

Suas pontas dos pés se esforçavam para ainda continuar tocando a cadeira, ainda. Clarisse a chutou.

E se foi. Com apenas poucos quatorze anos e muita solidão. Talvez era para ser assim, sozinha.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: